15/02/13

Sobre falsos profetas


 Um pequeno comentário se faz necessário acerca dos falsos profetas, porque percebo uma grande incompreensão acerca de como se deve identificar e tratar aos profetas. Refiro-me a uma observação pode ser sintetizada em uma forma ingênua de identificar falsos profetas; crê-se que o método para identificá-los é observar se ocorre o cumprimento daquilo que eles anunciam. Entretanto, as coisas não são tão simples.

Parece que a confusão surge de uma incompreensão acerca do significado da expressão “profeta”. Afirmando-se que o profeta é aquele que anuncia eventos futuros, automaticamente se conclui que o falso profeta é aquele que anuncia eventos futuros falsos, ou seja, que não encontram cumprimento. Mas essa conclusão é enganosa, porque parte de premissas falsas.

Para entender isso, é necessário entender o significado bíblico de profeta, que vem do Antigo Testamento. Embora uma das funções do profeta bíblico seja nitidamente o anúncio de mensagens divinamente inspiradas acerca de acontecimentos futuros (fatais ou condicionais), conforme testemunham os diversos escritos proféticos bíblicos, não é essa a função principal ou primária do profeta bíblico (o nabi). Nem todos os profetas do Antigo Testamento anunciavam eventos futuros. A função do profeta era transmitir ao povo de Israel uma mensagem de Deus, em geral no sentido de trazer de volta aos eixos os que haviam se afastado da doutrina e da prática corretas segundo a aliança entre Iavé Deus e o povo de Israel. Essa mensagem costumava estava ligada a recompensas ou punições condicionais, mas isso não era um elemento obrigatório.

Sobre isso, não há nada de novo. Pode-se consultar qualquer livro de Teologia do Antigo Testamento, que provavelmente confirmará minhas palavras.

Nesse sentido, a conclusão correta é de que, se um profeta verdadeiro é aquele que anuncia uma palavra verdadeira da parte de Deus que lhe foi confiada, o falso profeta é aquele que se faz de profeta, isto é, é aquele que anuncia uma mensagem falsa, afirmando-a como doutrina de Deus. Nesse sentido, há uma verdade fundamental a ser dita: o anúncio do falso profeta pode se cumprir, ou seja, é perfeitamente possível que o falso profeta anuncie um evento futuro que venha a se cumprir exatamente como ele disse. Ou seja: embora um anúncio falso caracterize de per si um falso profeta, um anúncio verdadeiro não identifica, por si só, um profeta verdadeiro.

Há um texto que confirma claramente essa verdade:

1 Quando profeta ou sonhador de sonhos se levantar no meio de ti, e te der um sinal ou prodígio,
2 E suceder o tal sinal ou prodígio, de que te houver falado, dizendo: Vamos após outros deuses, que não conheceste, e sirvamo-los;
3 Não ouvirás as palavras daquele profeta ou sonhador de sonhos; porquanto o Senhor vosso Deus vos prova, para saber se amais o Senhor vosso Deus com todo o vosso coração, e com toda a vossa alma.
(Deuteronômio 13:1-3)

Aqui, há uma tensão fundamental: de um lado, um sinal ou prodígio anunciado por um profeta, que se cumpre como o profeta houvera falado; de outro lado, entretanto, a mensagem do profeta é falsa, porque contradiz claramente um mandamento divino. Consequentemente, é um profeta falso, mesmo que anuncie sinais verdadeiros.

Mas o texto não para aí. Continua asseverando que “o Senhor vosso Deus vos prova”. Deus prova o coração do povo através dos falsos profetas. O falso profeta, como um emissário do diabo, tem uma função muito especial a desempenhar no grande e soberano plano de Deus. É um teste ao coração dos homens, verificando se amam a Deus “de todo coração”. Isso quer dizer que os falsos profetas são parte do plano divino, embora sejam a parte condenada por esse mesmo plano. Há outros textos nesse sentido:

6 Portanto dize à casa de Israel: Assim diz o Senhor Deus: Convertei-vos, e tornai-vos dos vossos ídolos; e desviai os vossos rostos de todas as vossas abominações;
7 Porque qualquer homem da casa de Israel, e dos estrangeiros que peregrinam em Israel, que se alienar de mim, e levantar os seus ídolos no seu coração, e puser o tropeço da sua maldade diante do seu rosto, e vier ao profeta, para me consultar por meio dele, eu, o Senhor, lhe responderei por mim mesmo.
8 E porei o meu rosto contra o tal homem, e o assolarei para que sirva de sinal e provérbio, e arrancá-lo-ei do meio do meu povo; e sabereis que eu sou o Senhor.
9 E se o profeta for enganado, e falar alguma coisa, eu, o Senhor, terei enganado esse profeta; e estenderei a minha mão contra ele, e destruí-lo-ei do meio do meu povo Israel.
10 E levarão sobre si o castigo da sua iniqüidade; o castigo do profeta será como o castigo de quem o consultar.
(Ezequiel 14:6-10)

Trata-se, novamente, de um profeta que anuncia uma mensagem falsa, porque está falando a um povo que levantou “ídolos no seu coração”. Deus concede apenas a mentira a um povo que ama a mentira (cf. 2 Tessalonicenses 2:11; Apocalipse 17:17). Nesse sentido, a palavra de Deus está acima de tudo. Sobre os profetas, o ensino da escritura é claro: julguem! (1 Coríntios 14:29) Coloquemos apenas em Deus nossos corações, e não nos homens.


(G. Montenegro)

56 comentários:

  1. Sr. Montenegro, os judeus antes de Jesus mas que seguiam a lei quando mortos estavam salvos? Tinham quer ter fé para segfuir a lei? Também Os anteriores a lei(Abraão, Noé,) como diz hebreus pela fé agradaram a DEUS isso quer dizer que foram salvos? Enoque foi trasladado vivo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Qualquer que seja a época, a justificação é pela fé (Romanos 4:3). Os crentes de todas as épocas desfrutarão da salvação final.

      Excluir
  2. Sr. Montenegro bom dia então os judeus que morreram seguindo a Lei tinham que ter fé na lei?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tinham que ter fé em Deus.

      Em todas as épocas, a justificação é pela fé. O conteúdo dessa fé depende da revelação progressiva de Deus. Hoje precisamos crer na ressurreição de Jesus, mas Abraão não sabia nada sobre essa ressurreição.

      Eles não tinham que ter fé na lei. Nenhum judeu crente morreu seguindo a lei, mas seguindo a Deus e obedecendo à lei. Veja Gálatas 3.

      Excluir
  3. Desculpe minha ignorancia mas no caso de Isaque dizem que tem haver com Jesus o carneiro que estava enroscado no arbusto, e que Abraão tinha noção que Deus ressussitaria Isaque. Como que o Sr. entende biblicamente.? Por favor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O sacrifício de Isaque não era sacrifício expiatório. Por isso não se pode confundi-lo com o de Jesus.

      Dizer que "Abraão tinha noção que Deus ressuscitaria Isaque" é extrapolar demais o texto bíblico. O texto não diz isso.

      Excluir
  4. Sr. Montenegro, digo por este versículo de João 8:56 Abraão, vosso pai, exultou por ver o meu dia, e viu-o, e alegrou-se.
    Poderia me ajudar com esse também?

    ResponderExcluir
  5. Também no mesmo evangelho 8:17 e 10:34 Jesus diz "na vossa lei" porque ? A lei que ele estava dizendo não era a lei de Deus ou dele?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cada evangelista relata os atos e palavras de Jesus conforme uma linguagem específica sua. O Evangelho de João e as Epístolas de João tem uma linguagem própria de seu autor, e essa linguagem transparece na forma como os personagens (João Batista, Jesus, etc) se comunicam. Trata-se do traço estilístico do autor.

      Excluir
  6. A última por hoje kkkk , ouvi um pastor dizer no culto que Deus trouxe aqueles que estavam presente lá no culto ou seja se estivermos lá é por que Deus levou e se não estiverem lá Deus não os levou, é certo essa forma de ensinar? Não sei se o sr. entendeu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não vejo problema, enquanto não usarem isso como desculpa.

      Excluir
  7. A duvida de João 8:56 é quando Abraão viu a Jesus e se alegrou?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O texto não diz que Abraão viu a Jesus. Diz que Abraão viu ao dia de Jesus. Provavelmente se refere às diversas promessas feitas a Abraão, as quais se cumprem em Jesus.

      Excluir
  8. Quais são essas promessas sr. Montenegro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aquelas feitas durante a vida de Abraão (Gênesis 12, 15, 17, etc).

      Excluir
  9. Sr. Montenegro novamente venho pedir sua interpretação quanto a esse versículo de Joao 1:45 diz que Filipe falou a Natanael que achara aquele que Moises ESCREVEU NA LEI, onde isso ocorre? Ou qual seria essa parte que Moises escreveu de Jesus?

    ResponderExcluir
  10. Sr. Montenegro outro versículo me deixou com a pulga atrás da orelha - 1 Pedro versículos 19 e especialmente no 20 "em outro tempo foi conhecido, ainda antes da fundação do mundo" como se dá a explicação dessa passagem?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O verbo PROGINOSKW significa "predeterminar" ou "prognosticar". Isso significa que o sangre precioso de Cristo pro prenunciado ou predestinado por Deus antes da fundação do mundo, mas foi manifesto a nós agora.

      Excluir
  11. Irmão Gyordano, não entendo e nunca ouvi um comentario explicando a parábola em Lucas do mordomo fiel a partir do verso 4 ... cem medidas de azeite ,toma a tua obrigação e senta e escreve cinquenta, e demais. Poderia me esclarecer o que significa essa parabola, por favor?

    ResponderExcluir
  12. Outra pergunta, a parabola do rico e do Lazaro é real? Li um artigo dizendo que ela é uma lenda ou algo assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É difícil dizer que essa parábola é uma lenda, porque Jesus é a única pessoa que se tem notícia de tê-la contado. Pode ser apenas uma parábola.

      Excluir
  13. Irmão Gyordano, dizem que Paulo em 1Cor 7:4-5 quer dizer em relações sexuais, quando o marido quer ter relação a mulher tem que o atender e da mesma maneira a mulher querendo o homem não pode negar a não ser quando para jejuar e orar com consentimento de ambos, está correto essa interpretação? Por favor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está correto, acrescentando de tudo deve ser feito com amor e que um cônjuge não deve obrigar o outro.

      Excluir
  14. Irmão Gyordano e quanto a parabola do mordomo fiel? Por favor não entendo ela. Sendo apenas uma parabola do rico e do Lazaro quer dizer que é real, ou melhor o que significa exatamente uma parabola?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A parábola do mordomo infiel (Lucas 16:1-13) está entre os textos bíblicos de mais difícil interpretação, além de ser sem dúvida a parábola mais difícil. Eu posso escrever um artigo tentando explicar,

      Sobre a parábola do rico e Lázaro, a existência de um "seio de Abraão" não tem nenhum paralelo na Bíblia, embora seja semelhante às lendas populares da época. O ensinamento da parábola é sobre a inversão escatológica de Deus em relação aos valores do mundo.

      Parábola, nos tempos bíblicos, poderia designar qualquer gênero literário sapiencial curto, desde um ditado até uma história ilustrativa. Nos evangelhos, Jesus se utiliza de vários de tipos de parábolas, como as alegorias (ex: Parábola do Joio e do Trigo) e os exemplos (Parábola do Bom Samaritano).

      Excluir
  15. Sr. Gyordano, a muitos pontos dificeis na biblia para compreender e parece que muito mais para aceitarmos, gostaria que me ajudasse a entender o versiculo20 de 1 Pedro 1, "em outro tempo foi conhecido, ainda antes da fundação do mundo"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Trata da relação do Pai com o Filho antes da Criação.

      Excluir
  16. Gyordano, devemos nos preocupar com o tal "chip" que dizem ser a marca da besta? Ou não devemos trazer com literal essa forma? O anticristo já está atuando na sua visão? E o galardão para os cristão será para que, ter alguma autoridade sobre os que não tem ou tem em menor em relação aos demais?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não há nenhuma conexão entre a marca da besta e o "chip" que no qual os sensacionalistas acreditam.

      O anticristo atua desde a época dos apóstolos (1 João 4:3).

      O galardão dos cristãos é o desfrute da vida eterna em Deus.

      Excluir
  17. Gyordano, pode deletar essas duas perguntas anteriores visto ser perguntas tolas, em Marcos 16:16 diz que aquele que crer e for batizado será salvo, e muitos dizem que o batismo não salva ninguém, como então entender, o batismo salva?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O batismo salva (1 Pedro 3:21). Entretanto, o batismo não pode ser separado da fé. Ele é a culminação da fé. No batismo nós somos unidos à morte e à ressurreição de Cristo (Romanos 6:1-7). No batismo nós nos revestimos de Cristo e nos tornamos herdeiros da promessa divina (Gálatas 3:26-29).

      Excluir
    2. Um detalhe: isso não quer dizer que o batismo seja uma condição absoluta para a salvação.

      Excluir
  18. Outra duvida, Jesus foi apresentado ao oitavo dia do seu nascimento, cumprindo a lei de Moisés, e no meio evangélico não se batiza a criança sem antes ela ter uma idade que possa ela entender o certo e o errado, mas quando Jesus foi apresentado ele estava cumprindo um rito judaico e como as igrejas continuam com esse rito não é errado?

    ResponderExcluir
  19. Obrigado até o momento pelas respostas esclarecedoras, no caso do galardão para os cristãos não se há maior galardão e menor? Ou há quem muito é dado será cobrado mais? Esse não tem nada haver com maior galardão do que outros?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apocalipse 21:7
      Quem vencer, herdará todas as coisas; e eu serei seu Deus, e ele será meu filho.

      Excluir
    2. Então tanto faz quem faz mais pelo evangelho do que quem pouco faz, já que o galardão é igual?

      Excluir
    3. Eu não disse que é igual, nem disse que é diferente. O Sr. está especulando sobre um ponto sobre o qual não existe clareza na Escritura.

      Excluir
  20. Voltando em 1 Pe1:20 "Trata da relação do Pai com o Filho antes da Criação." antes da criação de todas as coisas?

    ResponderExcluir
  21. "As Igrejas não devem praticar o ritual judaico." Mas então não se deve apresentar crianças nas igrejas? Só o batismo quando essa criança tiver conhecimento do fato?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não existe motivo para "apresentar" crianças. As Igrejas devem batizar crianças do mesmo modo como se circuncidava no Antigo Testamento.

      Excluir
    2. Batizar como a católica faz ao nascimento ?

      Excluir
    3. Batizar como luteranos, anglicanos, episcopais, moravianos, presbiterianos e congregacionais.

      Excluir
  22. Gyordano quase todos os evangélicos dizem que aqueles que não seguem a religião deles são criaturas apenas de Deus e que eles são filhos, poderia me ajudar nessa questão como o sr. entende essa questão?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todos os cristãos são filhos de Deus, promessa garantida a quem é batizado em águas. Tanto faz se o indivíduo é ou não membro da "religião evangélica".

      26 Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus.
      27 Porque todos quantos fostes batizados em Cristo já vos revestistes de Cristo.
      (Gálatas 3:26,27)

      Excluir
    2. Ok, mas os que não são cristãos é correto afirmar que não são filhos de Deus são só criaturas? Tem algum texto biblico para isso?

      Excluir
    3. Isso depende do que se que dizer com "filho de Deus". Ser filho tem, nas Escrituras, várias conotações. Uma delas é a de que o filho imita as obras do pai, motivo pelo qual Jesus e João Batista repreendem aos judeus, que diziam-se filhos de Abraão sem sê-lo (compare Mateus 3:9; João 8:39; Gálatas 3:9).

      Por isso, os pacificadores serão chamados filhos de Deus (Mateus 5:9).

      Sob uma acepção mais aberta, todos os espíritos são filhos de Deus (Hebreus 12:9), o que, sem dúvida, inclui as criaturas celestes (Jó 1:6; 2:1; etc).

      No entanto, a filiação especial (adoção), reservada ao gênero humano, se dá apenas através de Jesus Cristo (João 1:12).

      Excluir
  23. Também gostaria que falasse sobre a questão de Genesis 6:6 Deus se arrependeu de ter feito o homem? Tem outro verso que diz que ele não é homem para se arrepender, como o sr. pode me auxiliar para entender essa?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pesquise sobre "antropopatismo" e "antropomorfismo" no contexto da Hermenêutica Bíblia.

      São duas características do modo mitológico pré-metafísico de pensamento, incluindo-se os judeus que escreveram a Bíblia. A Escritura, tanto no AT quanto no NT, foi elaborada conforme o condicionamento cultural, científico e filosófico da época de cada autor.

      Excluir
    2. Nesse seu blog? Poderia me relatar suas colocações, pois como estou avaliando suas palavras gostaria de continuar nessa sua interpretação, por favor.

      Excluir
    3. Pode encontrar referências na internet facilmente.

      Para um tratamento mais detalhado, pode consultar livros de Hermenêutica.

      Excluir
  24. Gyordano um determinado pastor em um curso de teologia durante a aula ele entrou num tema que ele citou o texto de EX 3:14, dizendo que já buscou vários estudos sobre o significado real desse versículo para a praticidade em nossas vidas, e ele disse que na Bíblia do Rei Tiago, também conhecida como versão King James, de 1611, aparece uma das declarações mais originais possíveis: "I'm what you need me to be", em português: "Eu Sou o que você precisar que eu Seja". Isso é correto?

    ResponderExcluir