25/08/12

AO VELHO HOMEM (soneto)

AO VELHO HOMEM

Vê-se errante entre as jaulas da cidade
O algoz silente em sobretudo infecto
Vulto de terribilíssimo aspecto
Bruxo de incontida animalidade

Moléstia mor minada n'alma sua
Espectro de noite sem alvorada
Pesadelo de tétrica madrugada
Enegrecer de céu sem estrela ou Lua

Ronda através das calçadas e ruas
Como antropófago das carnes cruas
Devorando em sua penúria viral

Mal em que todos homens se consomem
Lembra-te, afinal, tu que és o Velhomem
Que n'íntimo teu te tornaste o Mal

(G. Montenegro)

Nenhum comentário:

Postar um comentário