13/06/12

Rabiscos imaginários do pretribulacionismo


 Afirmam alguns dos pretribulacionistas que a colheita de Israel era composta de três partes: as primícias, a grande colheita e os rabiscos, e assim concluem que a “colheita” escatológica se dará também nessas três fases. A falha aqui é dupla: tanto um erro acerca da colheita do Antigo Testamento quanto uma especulação acerca da doutrina no Novo Testamento.

A colheita se baseiam em duas, e apenas duas fases: as primícias e a colheita propriamente dita. As primícias eram levadas a Deus (Êxodo 23:19), ficando a colheita para o dono da terra. Os chamados rabiscos não eram parte da colheita; na realidade era proibido ao dono da terra colher os rabiscos (Levítico 19:9,10; cf. Jeremias 49:9), os quais eram deixados para o pobre e o estrangeiro. Os rabiscos não eram parte da colheita; eram o que sobrava dela, jamais se integrando à colheita. O dono da terra jamais os recolhia em seu celeiro. Assim sendo, é pura arbitrariedade considerar os rabiscos como parte da colheita. Mera eisegese.

Mas o segundo erro está em atribuir essa (errônea) divisão à escatologia do Novo Testamento. Ponto algum das escrituras se refere a tais “rabiscos escatológicos”. As primícias são Cristo (já ressurreto), e a colheita são os seus eleitos (ressurretos na vinda de Cristo):

20 Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, e foi feito as primícias dos que dormem.
21 Porque assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem.
22 Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo.
23 Mas cada um por sua ordem: Cristo as primícias, depois os que são de Cristo, na sua vinda.
24 Depois virá o fim, quando tiver entregado o reino a Deus, ao Pai, e quando houver aniquilado todo o império, e toda a potestade e força.
(1 Coríntios 15:20-24)

O texto é claro em se referir à ressurreição dos justos, a qual ocorre com a vinda de Cristo (cf. 1 Tessalonicenses 4:13-18), a qual precede o reino milenial: o texto de Apocalipse 20:4-6 é fatal, e simplesmente não se encaixa na escatologia pretribulacionista se interpretado literalmente. Observer-se que o texto de 1 Coríntios 15 citado, o único a se referir a Cristo como primícias, não faz qualquer menção a “rabiscos”; logo depois virá o fim (v. 24). Aliás, parte alguma do Novo Testamento menciona esses “rabiscos escatológicos” da imaginação fértil dos pretribulacionistas.

Na realidade, se aplicassem uniformemente esse tal princípio tripartite, deveriam concluir que os cristãos, que agora tem as “primícias do Espírito” (Romanos 8:23), terão um dia “a grande colheita do Espírito”, e por fim “os rabiscos do Espírito”. Absurdo? Com certeza. Eis o perigo da interpretação tipológica: podemos fazer o que quisermos com ela. Qualquer interpretação é possível, havendo imaginação.


G. Montenegro

Nenhum comentário:

Postar um comentário