29/12/11

Não existe "Ide" em Mateus 28:19


Não, não existe. Por incrível que pareça, a tradução desse texto, conforme apresentada nas traduções mais usadas no Brasil (ACF, ARC, ARA, NVI, NTLH), não é literal. O texto grego não diz “vão” ou “ide”. Segue o texto, negritados os três verbos presentes nele:

πορευθεντες ουν μαθητευσατε παντα τα εθνη βαπτιζοντες αυτους εις το ονομα του πατρος και του υιου και του αγιου πνευματος

Os três verbos seriam “sair (em jornada)” (πορεύομαι), “discipular” (μαθητεύω) e “batizar” (βαπτίζω). Este primeiro verbo, o mesmo verbo usado em Marcos 16:15 (também erroneamente traduzido como “ide” ou “vão”), não está no imperativo. Está no aoristo particípio. Formação semelhante ocorre em Mateus 2:9; 9:13; 11:3.

O particípio na língua grega tem um uso diferente daquele que ele toma na língua portuguesa. Isso se dá pelo fato de não existir gerúndio na língua grega. Teríamos de usar, em grego, o particípio (ou alguma outra forma verbal) para denotar aquilo que seria expresso pelo gerúndio em português. Grosso modo, seria como trocar “João está andando” por “João é andante” (particípio presente).

[Em outros momentos, esse verbo pode aparecer no imperativo tendo uma conotação claramente missiológica (e.g. Mateus 10:6).]

Ademais, embora na língua portuguesa só façamos uso do particípio passado, na língua grega há outros particípios, denotando outros tempos. Há um resquício desses particípios na língua portuguesa, como quando dizemos “estudante” (aquele que está estudando) ou “nascituro” (aquele que nascerá).

O tempo aoristo (um tempo inexistente na língua portuguesa) expressa um determinado acontecimento expresso em um verbo de forma pontual, sem levar em conta (a princípio) qualquer duração sua. Expressa o acontecimento como dado em um só momento de tempo.

O particípio aoristo (o tempo do verbo considerado) seria um tempo verbal que expressa uma ação passada, isto é, tomada como já concluída. Assim sendo, uma tradução mais fiel de πορευθεντες seria “havendo (já) ido” ou “havendo viajado”. Poderiamos traduzir (de forma mais aberta, preservando a significação grega na sintaxe portuguesa), portanto, como:


Portanto, havendo ido (pelo mundo), discipulai a todos os povos...”


O que isso quer dizer? O verbo principal não é “ir”. É discipular a todos os povos. Essa é a ordem.

47 comentários:

  1. Então não é para se sair pregando e sim quando você sair para algum lugar aí sim, pregar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sugiro investir alguns minutos neste excelente e equilibrado texto...
      http://www.afmu.com.br/2014/04/10/ide-indo-ou-enquanto-vao-qual-a-traducao-correta-da-grande-comissao/

      Excluir
  2. Não é bem isso que eu quis dizer.

    O que eu quis dizer é apenas que não existe "ide" nesse texto. Nada mais que isso.

    De qualquer forma, é essencial sair pelo mundo pregando o Evangelho (embora isso não seja obrigação de todos os cristãos).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A correta tradução do texto, como feita aqui, é essencial, e foi muito bem exposta. Porém, a compreensão que pregar o Evangelho "não seja obrigação de todos os cristãos" é lamentável. Todos e absolutamente todos são chamados para pregar o Evangelho. A idéia distorcida de que apenas alguns tem o dom de evangelizar é caolha e desresponsabiliza os cristãos da razão pela qual Jesus ainda não voltou. Povo de Deus... cuidemos do tempo presente que temos e preguemos a boa-nova.

      Excluir
    2. Exatamente, João Campos. Independente da polêmica sobre o ariosto em questão, o imperativo do "façam discípulos de todas as nações" permanece. É A ordem foi dada a todos eles.
      Sobre a polêmica em relação ao verbo, embora a tradução "ide" não seja precisa, a questão não me parece ser tão simples, por tudo o que já li sobre o assunto. Aliás, se o fosse, por que a grande maioria de nossas traduções continuam optando pelo imperativo?

      Excluir
    3. Caro João Campos, o autor não quis dizer que não é nossa obrigação pregar a Palavra de Deus, mas simplesmente ensinou que a enfase não está no IDE pois ele não existe, e sim no fazei discípulos ou pregai ou ensinai a Palavra, não necessariamente indo por todo o mundo.

      Excluir
    4. Resumindo... Muita complicação pra não mudar nada na aplicação prática do IDE. Temos que ir e pregar e ponto final.

      Excluir
  3. Agora você me deixou mais confuso ...rs, desculpe, "(embora isso não seja obrigação de todos os cristãos).", mas é exatamente isso que é passado nas igrejas. Poderia me explicar melhor por favor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não há versículo na Bíblia em que se determine que todos os cristãos devem se tornar missionários. Há injunções na Bíblia acerca dos apóstolos: ELES deveriam pregar o Evangelho em todo o mundo, e sua missão é continuada pelos ofícios e vocações bíblicos (bispo/prebítero, evangelista).

      É preciso encarar o fato: nem todos estão capacitados a pregar o Evangelho. Nem todos são chamados para isso.

      Apesar disso, todos os crentes devem ser testemunhas do Evangelho (1 Pedro 2:9).

      Excluir
    2. Paz! O que Jesus diz nessa passagem bíblica não é pra abandonar tudo e se tornar um missíonário. Se há desejo em fazer isso, tudo bem, muitos fazem assim e evangelizam em outras cidades ou países.
      Na prática, não é IDE, mas INDO. Não preciso mudar de cidade ou país. Enquanto estou seguindo minha vida: estudando, trabalhando, no banco, no médico, vou INDO e pregando o evangelho. É no dia a dia que você faz missão.
      ALIÁS, A MISSÃO É A SUA VIDA. AS PESSOAS PRECISAM VER JESUS EM NÓS E NÃO SOMENTE EM NOSSAS PALAVRAS!

      Excluir
    3. Sugiro investir alguns minutos neste excelente e equilibrado texto...
      http://www.afmu.com.br/2014/04/10/ide-indo-ou-enquanto-vao-qual-a-traducao-correta-da-grande-comissao/

      Excluir
    4. Anônimo, falou tudo! Exatamente o que queria expressar.

      Excluir
    5. Mas traduzir como "indo" é tão equivocado como "ide". A questão não é simples. A Grande Comissão é, sim, para todos os discípulos, sem distinção.

      Excluir
  4. Ok, obrigado novamente, e, permaneça nessa sua iniciativa de expor as verdades, DEUS te abençoe .

    ResponderExcluir
  5. Irmão Gyordano, a paz, tudo bem?
    Desculpe minha ignorância, mas o evangelho de Cristo só poderá ser pregado para todo mundo, se as pessoas conforme vão sendo alcançadas, fazerem o mesmo com outras pessoas, ou seja, eu me torno um seguidor de Jesus e saio para formar outros seguidores de Jesus. Até porque temos um limite de vida. Os 11 que estavam no monte ouvindo Jesus pregaram até certo ponto e depois morreram. Só acredito que se, nem todos são chamados para proclamar o evangelho, qual o sentido de ser cristão? Viver no egoismo Gospel, ou seja, ja tenho minha salvação, agora vou mante-la. A igreja brasileira ja é deficiente e negligente com a proclamação, imagine a mesma entendendo que nem todos tem como plano de Deus ser um evangelista?

    Marcos 1:38 E ele lhes disse: Vamos às aldeias vizinhas, para que eu ali também pregue; porque para isso vim.

    Mateus 24: 14 E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim.

    Baseado neste ultimo verso biblico, se não proclamarmos o evangelho de Cristo, o plano de salvação da humanidade não acontecerá.

    Grato e Deus os abençoe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todos os cristãos devem testemunhar do Evangelho, mas cada um conforme sua própria vocação. O olho não pode fazer o papel das mãos, e vice versa. Os evangélicos brasileiros têm de aprender a lição de 1 Coríntios 12. Simplesmente não é verdade que todos estão igualmente capacitados por Deus para o anúncio missionário. A responsabilidade é grande. As igrejas brasileiras seriam muito mais eficientes na pregação do Evangelho se cada um fizesse a sua parte e não a alheia. O doutor é doutor, o evangelista é evangelista, e assim por diante. Não somos iguais, mas cada um cumpre o seu papel conforme o dom que o Espírito Santo lhe concede. A pressa do homem jamais pode vencer a multiforme ação do Espírito. Os evangélicos precisam ser mais humildes naquilo em que realizam. O fato é que os evangélicos pregam muito, não pouco, mas o conteúdo da mensagem costuma ser pobre, porque aquele que não foi capacitado se julga capacitado.

      Excluir
    2. Senhor Jairo Borges, existem crentes que não falam de Jesus nem para seus vizinhos, amigos, colegas e parentes, como um desses quer ser enviado ou ir para um lugar distante como a Coréia do Norte por exemplo para pregar a Palavra, então se cada um de nós fizermos a nossa parte onde vivemos logo estaremos indo pelo mundo pois a Palavra frutifica e produz frutos, e se um fruto desses que você plantou for para um lugar distante e falar da Palavra de Deus automaticamente você foi com ele. Portanto a enfase não está no IDE pois ele não existe e sim no Fazei Discípulos.

      Excluir
  6. O evangelho só chegou até nós, por causa de pessoas que entenderam suas responsabilidades de anunciar as Escrituras sagradas a outros. Glórias a Deus por isso. Torno de 2000 linguas não tem um verso da biblia traduzido. Precisamos traduzir se não essas pessoas vão morrer sem Cristo.

    ResponderExcluir
  7. Primeiramente quero dizer que gostei muito do artigo e que ajudou bastante nas minhas pesquisas.

    Em segundo lugar gostaria de fazer uma pequena observação que penso ser bem relevante: O primeiro verbo além de estar no tempo Aoristo e modo Particípio, encontra-se também na voz Depoente Passiva. O que isso significa? Significa que o sujeito, no caso os discípulos, sofre a ação do verbo, ou seja, não são eles que vão mas eles são levados (pelo Espírito Santo). Isso fica evidente analisando o caso de Filipe e o etíope (Atos 8:26-38 e 39-40); Ananias e Paulo (Atos 9:10-20); Pedro e Cornélio (Atos 10:20); Barnabé e Saulo (Atos 13:4). O Espírito era quem conduzia os discípulos e também impedia como aconteceu com Paulo (Atos 16:6-7).

    Então não é uma ordem para IR, como foi bem colocado no texto, mas para seguIR ordens. Assim, a tradução correta seria: "Portanto, tendo sido conduzidos, discipulai todos os povos batizando-lhes no nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo".

    Salmos 127:1 - "Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela." Parafraseando: "Se o SENHOR não enviar, em vão trabalham os que fazem discípulos"

    Convencer do pecado, da justiça e do juízo e trabalho do Espírito Santo (João 16:8)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verbos depoentes apresentam forma passiva/média, mas significado ativo. Desse modo, o sujeito não sofre a ação, mas a realiza.

      Excluir
    2. Isso é algo um pouco confuso porque na Concordância de Strong diz em G5789 que: "As formas depoentes passivas em quase todos os casos são traduzidos como voz Passiva." e em G5790 diz: "As formas depoente média ou passiva em quase todos os casos são traduzidas como voz ativa."

      De qualquer maneira eu fico com a voz passiva porque é a mais coerente com o que os apóstolos fizeram.

      Excluir
    3. Não sei por que essa concordância diz isso, mas afirmar que um verbo depoente na forma passiva deva ser traduzido na voz passiva é o mesmo que dizer que ele não é depoente.

      Excluir
    4. Clauzemberg, o que eu já li sobre esse assunto é que o verbo está na voz media. Aliás, bom ponto levantado.

      Excluir
  8. Interesso-me muito pelo estudo do Grego. Agora nunca tinha ouvido dizer que existisse uma forma depoente. No latim sim, existe, mas no Grego... não sabia. Poderia uma gramática que trate do assunto? Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Coinê - Pequena Gramática do Grego Neotestamentário (F. L. Schalkwijk), lição 24, pp. 52-53

      Introdução ao Estudo do Novo Testamento Grego (W. C. Taylor), cap. XXIII, pp. 55-58

      Geralmente os verbos depoentes são estudados como parte dos verbos defectivos, visto serem um subgrupo

      Excluir
  9. que bom que não preciso sair por ai pregando

    ResponderExcluir
  10. Talvez a melhor tradução que expresse a ideia do texto seja: "Portanto, continue a jornada iniciada, fazendo discípulos de todas as nações...". E isto não nos exime de pregar o Evangelho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sugiro investir alguns minutos neste excelente e equilibrado texto...
      http://www.afmu.com.br/2014/04/10/ide-indo-ou-enquanto-vao-qual-a-traducao-correta-da-grande-comissao/

      Excluir
  11. Meu amigo, você está equivocado. É muito comum no grego utilizar-se de particípios ao redor de um imperativo ao invés de vários imperativos dando a ideia de de imperativo. A ideia do texto é uma cadeia de ordens: ir, discipular e batizar. Para informações adicionais sobre este uso do particípio no grego, dê uma olhada.
    http://lists.ibiblio.org/pipermail/b-greek/1999-January/003398.html
    http://zondervanacademic.com/blog/the-participle-as-imperative/
    http://knowgreek.blogspot.com.br/2007/02/third-thoughts-about-matthew-2819a.html
    http://www.faithandreasonforum.com/index.asp?PageID=16&ArticleID=536
    https://books.google.com.br/books?id=XlqoTVsk2wcC&lpg=PP1&hl=pt-BR&pg=PP1#v=onepage&q&f=false (página 640)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sugiro investir alguns minutos neste excelente e equilibrado texto...
      http://www.afmu.com.br/2014/04/10/ide-indo-ou-enquanto-vao-qual-a-traducao-correta-da-grande-comissao/

      Excluir
  12. A obrigação se dá pela realidade que a impele e pela necesidade de fazer discípulos - que é o imperativo - e discípulos de todas as nações. Porém, mais que ordenar ou mandar, o Senhor Jesus espera de seus discípulos ir as nações e fazer discípulos e não fazê-lo é "decepcionar" o Senhor. Por tanto, há sim para cada crente uma obrigação implícita em ao menos participar de alguma forma no cumprimento desta tarefa.
    Ai de mim a não anunciar o evangelho...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meus Deus... é tão simples, não é mano. Grato!

      Excluir
  13. Agora entendi! Não é para eu "ir" e sim "sair" e pregar o evangelho, bacana! Vamos pregar então e largar a mão de perder tempo com semântica né?

    ResponderExcluir
  14. É para ir e fazer discípulos ou prosélitos?

    ResponderExcluir
  15. É para ir e fazer discípulos ou prosélitos?

    ResponderExcluir
  16. E como pregarão se não forem enviados? (Rm 10.15)- Irmãos, eu penso que se gasta muito tempo discutindo o óbvio. Eu particularmente amo a simplicidade. O verbo "ir", "ide vós" e o verbo "fazer", "fazei vós" ambos no imperativo afirmativo é o melhor para o entendimento das ordens contidas no texto. Já vi bastante discussões sobre isto e pouquíssimo ou quase nenhum proveito; agora sim, já ouvi indoutos dizerem que nem nós nos entendemos sobre o que defendemos. Ide, ordem de quem fala; indo ação de quem vai. Para todos os crentes regenerados em Cristo, há uma ordem "proclamar as virtudes da quele que nos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz" IPe 2.9. A paz de Cristo Jesus.

    ResponderExcluir
  17. Indo é maravilhoso o evangelho não pode ser por obrigação, tem de ser algo que você vive,além do mais o Senhor falou isso para os dissipulos ainda não existia a Igreja.

    ResponderExcluir
  18. Indo é maravilhoso o evangelho não pode ser por obrigação, tem de ser algo que você vive,além do mais o Senhor falou isso para os dissipulos ainda não existia a Igreja.

    ResponderExcluir
  19. UMA COISA PERCEBI: SE EU CONTINUAR LENDO ESSAS OPINIÕES DIVERSAS... A LETRA MATA, ISSO SIM..

    ResponderExcluir
  20. O grego não costuma empregar verbos no imperativo seguidos. O primeiro vai para o particípio e o seguinte então vem no imperativo.
    Um exemplo é o texto de Mc 16:15: "E disse-lhes: Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura".
    No grego está "indo por todo mundo, pregai".
    A prova desta afirmativa vem da Septuaginta (LXX) que traduz o texto hebraico de 2Re 1:3 "Sobe [e] vai קוּם עלה desta forma: ἀναστάς δεῦρο (literalmente, "subindo, vai".
    No hebraico, está "sobe, vai". Todavia, ao passar para o grego, a estilística grega recomenda a ação contínua a partir do particípio que assume a força do imperativo do verbo que lhe segue.
    Simples. Portanto, vamos acabar com este negócio de dizer que não existe o "Ide".
    Seria bom conhecer textos de Heródoto, grande historiador, em grego koinê, em cuja leitura tenho me deleitado nps meus estudos preparando aula para meus alunos.

    ResponderExcluir
  21. No Site graodetrigo.com há umas opções de livros gratuitos, sugiro aos interessados que entrem e peçam pelo livro O Evangelho Encoberto, ele trata bastante desse assunto, e confesso que para mim foi muito bom.

    ResponderExcluir
  22. Acredito que Jesus é o melhor exemplo disso, ele não saiu pregando o evangelho, mas por onde ele passou fez discípulos. Acredito que é isso que a igreja deve fazer, discipulos aonde estiver. Aqueles que sõ chamados por Deus para sair em missão, como o Ap. Paulo, têm esse chamado específico.

    ResponderExcluir
  23. ANÔNIMO II Artigo edificante,que Deus continue abençoando o autor. Quero também agradecer aos irmãos; Anônimo, Giordano Montenegro,e Clauzemberg, que nada venha desanimar os irmãos nesta missão de aperfeiçoamento dos santos, sempre vai haver pessoas preparadas e despreparadas, concordando ou não com nossas opiniões.Sou grato a Deus pelas vossas vidas fiquem na PAZ.

    ResponderExcluir