29/03/10

Pecado Original: Bíblico?


A doutrina do 'pecado original' (assim como a substituição penal, da qual tratamos em outro tópico, e assim como purgatório e a assunção de Maria) é mais uma doutrina que é defendida pela Igreja Católica, mas que não se encontra nas Igrejas Ortodoxas (historicamente mais antigas, por alguns anos, que as Igrejas Católicas).
Segundo uma explicação mais geral dessa doutrina, todos os homens já nascem pecadores e culpados por conta do pecado de Adão. O pecado é transmitido a todos por herança.
O primeiro defensor da doutrina do pecado original foi Agostinho de Hipona, que viveu nos séculos IV e V. Sendo um bispo ocidental e tendo escrito em latim, seus textos não influenciaram a doutrina da Igreja Ortodoxa, mas tiveram grande impacto sobre a Igreja Católica.
Na Igreja Ortodoxa, ninguém é considerado como nascendo culpado do pecado de Adão. Embora acreditem em uma forma de "pecado ancestral", aquilo que é passado adiante não é o próprio pecado, mas a "natureza caída". Algumas passagens bíblicas, como Efésios 2:3, parecem defender mais a posição ortodoxa que a católica. É por isso que a Igreja Católica ensina que Maria foi concebida sem pecado, mas esse ensinamento não se encontra na Igreja Ortodoxa, que ensina que todos são nascidos sem pecado (ainda que propensos ao pecado).
Poucos textos bíblicos tratam do tema. Na lista constam Salmos 51:5; Romanos 5:12-21; 1 Coríntios 15:22. No entanto, acredito que nenhum desses textos prove o "pecado original". Antes de tratar dos versículos em si, preciso fazer uma distinção: uma coisa é nascer sendo culpado do pecado de Adão (e, por isso, destinado à condenação no juízo final), outra coisa é nascer sofrendo as consequências do pecado de Adão (mortalidade e distância de Deus).
O primeiro texto, Salmos 51:5, nem de perto apresenta generalidade. Trata exclusivamente de seu autor, que não explica por quais motivos foi concebido em pecado. Assim, como o autor não explica os motivos (supostamente a queda do homem), é um argumento circular dizer que é uma confirmação do pecado original. Mas ainda assim permanece a dúvida: por qual motivo o salmista teria dito isso? Dois fatores que eu gostaria que fossem considerados:


- Trata-se de um salmo, e por isso o uso de uma linguagem exagerada (ex: Salmos 22:6). Talvez o que o salmo queira dizer é que não conhece um só período em sua vida que não tenha pecado, que mesmo quando pequeno pecava, ou que desde que nasceu conviveu com o pecado, ou até mesmo que seu nascimento procede de um pecado. Não se pode negar essas três possibilidades a priori.
- A semelhança de linguagem com Salmos 58:3 é incrível. Nesse texto, o salmista diz o mesmo, mas agora falando dos ímpios. Em nenhum desses dois textos ele fala de toda a humanidade, e em nenhum desses dois textos é dito qual seja o motivo pelo nascimento em pecado. Não se fala em queda. Assim, talvez o que ele tenha dito em Salmos 51:3 é comparar-se aos ímpios, por esses conviverem em pecado.

Nota: não é necessário que o Salmo 51 e o Salmo 58 sejam do mesmo autor p'ra que minha defesa funcione. Basta que empreguem as mesmas expressões idiomáticas.

Em Romanos 5:12-21 e 1 Coríntios 15:21,22 o mesmo tema é apresentado, a consequência do pecado de Adão: a morte. Romanos 5:12, como premissa de todo o resto do texto, deve ser entendido perfeitamente antes de que se trata dos demais versículos.


"Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram." (Romanos 5:12)

Esse "por isso que" é o resultado de uma construção sintática grega muito difícil de ser traduzida e entendida. Segue o mesmo texto:

δια τουτο ωσπερ δι ενος ανθρωπου η αμαρτια εις τον κοσμον εισηλθεν και δια της αμαρτιας ο θανατος και ουτως εις παντας ανθρωπους ο θανατος διηλθεν εφ ω παντες ημαρτον

εφ é a forma contracta (por elisão) de "επι" (EPI). Quando rege o dativo, ela indica a causa, tempo ou lugar por meio de que algo se procede.

ω é o pronome relativo grego "ος" ('OS), no caso dativo do neutro/masculino singular. Ignorado o dativo (que é regido por EPI), significa "o qual".

É meio confuso, mas significa algo como "naquilo que", "na medida em que". O que segue é transparente, e significa, como na tradução (preservando a ordem das palavras), "todos pecaram". Assim, a construção significa algo como "pelo motivo de todos terem pecado".

Essa mesma construção aparece em 2 Coríntios 5:4 (embora na forma negativa), significando (negritado) "não porque queremos ser despidos", bem como em Filipenses 3:12, como "para o que fui também", significando "em razão de que". Se minha interpretação dessa construção estiver correta, o que Romanos 5:12 quer dizer é: a morte passou a todos os homens PORQUE todos pecaram. Ou seja: embora Adão tenha pecado, você só se torna culpado por você TAMBÉM ter pecado. Trata-se de culpa por cumplicidade, não por "herança".
Por isso pode-se falar em "desobediência de um só homem" (v. 19), "ofensa de um só" (v. 17) e "um só que pecou" (v. 16), sem que isso implique necessariamente no pecado passar adiante, mas sim a consequência do pecado.


(G. Montenegro)


Um comentário:

  1. Para uma explicação mais detalhada:

    http://cristianismopuro.blogspot.com.br/2012/05/por-nossos-pecados-substituicao-penal.html

    ResponderExcluir